sábado, 24 de fevereiro de 2018

Gente de bem com a vida daqui, dali e de acolá:











































Câmara Municipal de Cerquilho

Até a próxima postagem. Fui!


Ah! Caçambas


Em certos momentos damos uma geral no quintal e entramos em pânico. Como se livrar do sofá velho, entulho de reforma, poda de árvores.... Em fim todo aquele lixo grande que não cabe na lixeira da casa e pequena demais para compensar alugar uma caçamba. Segundo sabemos que está pela hora da morte. Diante de tamanha dilema, bem a prefeitura poderia criar locais para despejo gratuito de móveis sucateados, pedaços de tijolos... 

Para que móveis e eletrodomésticos e outros objetos não sejam descartados nos rios, nas encostas, nas estradas vicinais, bem que a prefeitura poderia oferecer aos munícipes, um serviço tipo Cata-Entulho que recolhe as matérias após agendamento, de segunda a sábado. Esse serviço é de grande relevância, por garantir a limpeza das vias e dá a oportunidade de descarte correto a quem não pode pagar pelo recolhimento de mesa, guarda-roupas, sofás, armários e outros objetos. Um dos critérios a se impor para o usuário é importante informar o volume e peso do material. Há critério de limitação de volume devido à quantidade de viagens a serem feitas. O entulho despejado irregularmente pode ser denunciado pelos telefones: ... O descarte irregular prevê multa, por exemplo, a partir de 500 reais podendo ser dobrado em caso de reincidência.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Gente de bem com a vida daqui, dali e de acolá:


























































Praça da Matriz, bem no centro da cidade, com os quiosques ao fundo
Até a próxima postagem. Fui!

Sobre trogloditas e covardes

A tipologia é imutável: possuem bíceps, tríceps, retos abdominais, deltoides e trapézios hipertrofiados que ficam à mostra em camisetas justas e vitrinais. Andam sempre em bando e ao contrário das andorinhas, são algozes. Sem exceção, são microcéfalos e incapazes de uma sustentação oral sobre outro e qualquer assunto que não seja anabolizantes, carros, relógios, bebidas e mulheres. Sentem-se irresistíveis e ai de quem contrariá-los. Não há perdão para a rejeição. Agridem, machucam, dilaceram e até matam. Geralmente oriundo de lares onde a violência velada ou não dá o tom do dia a dia, projetam o que presenciam em suas casas nos lugares públicos que frequentam.
Acham-se machos, superiores, mas na hora do pega pra capar, se mijam e até imploram pela vida. Consomem regularmente muita bebida alcoólica, drogas ilegais, viagras e levitras para que a possibilidade de falhar no momento supremo, seja, a todo custo, afastada. Humilham suas namoradas e fazem-nas passar por situações de profundo constrangimento o que lhes proporciona sensação de prazer e indiferença típica dos psicopatas. São esses “fortinhos” que hoje infestam as casas noturnas. São esses seres abjetos que podem, tranquilamente, agredir uma filha criada com esmero, zelo e dedicação e que saiu de casa com o único objetivo de se divertir. São eles que tiram a tranquilidade dos homens de bem que confiam nas suas filhas mas temem que a ineficácia do Estado permita ser acordado, um dia, na madrugada, com a notícia de uma filha agredida. São eles que dão o tom da violência gratuita e desmedida em nome de um status fajuto e oco. Para que se sintam “in”, perante a corja que os acompanham, é necessário o emprego da força que estimula um ego distorcido, atrofiado e carente de valores dignos dos homens e mulheres de bem. Tive uma filha agredida, sim. Covardemente. Fico a matutar o que aconteceria com esses animais, se a agredida fosse filha de um deputado, senador, prefeita ou governadora. Como sou tão somente um cidadão comum, resta-me tão somente a resignação e o conforto dos amigos que sofrem junto e tentar encontrar uma maneira de mostrar à minha filha que apesar do seu sofrimento, vale a pena a caminhada. Afinal estamos aqui pra isso.