segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Pequenina homenagem ao Xiro:

Hoje quero homenagear ao multiinstrumentista Xiro (Carlos Alberto Gaiotto). Neste cerquilhense nato tudo é sutil, verdadeiro, sofisticado e sem cenas. Seja onde for ele chega e manda seu recado. Pelos bailes da vida muitas pessoas se apaixonaram e se casaram e constituíram família.  
As bandas lideradas por ele sempre incendiou a rapaziada e encantou a todos.




















A música nasceu com o mundo. Ela faz parte da vida. Na verdade acordamos com a música e queremos música quando levantamos. 
Xirão, aquele abraço! Que também que esse abraço seja extensivo aos seus fiéis companheiros, das festas da vida! 
Até a próxima postagem Fui!

sábado, 28 de novembro de 2015

Só duplas daqui, dali e de acolá:





























































Até a próxima postagem. Fui!
Ah! Estamos vivendo dias de terror, com a política corrupta nesses últimos anos. Temos que reagir com severidade diante desses canalhas que estão estragando nossas vidas. Aliás, precisamos incorporar que devemos estar em defesa da moral pública e do dinheiro do contribuinte. Precisamos defender o nosso país em todos os planos, municipal, estadual e federal. Veja alguns exemplos de denúncias que devemos empenhar-se para aflorem no noticiário: desvio ou má aplicação de verbas públicas, conchavos entre parlamentares e governantes em prejuízo da população, favorecimento oficial a empresas particulares, concorrências com cartas marcadas, obras dispendiosas cujo custo não corresponda à utilidade, tráfico de influência, apadrinhamento e nepotismo no serviço público, compras públicas sem concorrências, mordomias e gastos exagerados de servidores, governantes ou parlamentares, viagens desnecessárias às custas do governo, transações duvidosas em qualquer nível de administração pública, uso de recursos públicos em benefício de particulares, manipulação dos bancos estaduais em favor de empresas de protegidos, salários públicos em desacordo com a realidade do País... Repare que esses assuntos figuram com frequência nas cartas dos leitores. Por que então não tomar a iniciativa também?